Obesidade e Saúde

por Asal Assistência Médica No Trabalho | Set 10, 2022

Olá!

Frequentemente ouvimos falar da “problemática” da obesidade, mas o que será que a torna num problema de saúde pública? 

A obesidade, presente aquando de um Índice de Massa Corporal > 30, caracteriza-se pelo acumular anormal ou excessivo de gordura corporal, podendo colocar a saúde em risco

Em Portugal, 22,3% da população tem obesidade, sendo mais prevalente entre a população idosa. Ainda, sabe-se que Portugal é o 12º país europeu com a maior taxa de obesidade infantil:

Contrariamente ao que se pode pensar, a obesidade não depende apenas dos hábitos alimentares e de atividade física, sendo esta uma doença multifatorial, influenciada por fatores: Genéticos, Metabólicos, Comportamentais e Ambientais.

De acordo com a evidência atual, a obesidade contribui para o aumento do risco de complicações de saúde (exemplo: cancro, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, problemas respiratórios. problemas de infertilidade, entre outros) e encontra-se associada à redução da esperança média de vida.

E que medidas podemos nós tomar para prevenir o desenvolvimento da obesidade?

Realizar atividade física diamiariamente. A organização mundial de saúde recomenda uma prática semanal de pelo menos 150 a 300 minutos de atividade física de moderada;

Adotar hábitos alimentares saudáveis. Apesar de estes serem variáveis entre indivíduos, segundo a OMS define alguns princípios transversais a todos nós, nomeadamente: 

  • A inclusão de fruta, hortícolas, leguminosas, frutos oleaginosos e cereais integrais na nossa alimentação;
  • O consumo diário mínimo de 5 porções de fruta e hortícolas;
  • A limitação do consumo de açúcares a no máximo o equivalente a 12 – 6 colheres de chá por dia, o que corresponde a cerca de 50 – 25g de açúcar ao natural ou presente em alimentos sob a forma de açúcar adicionado;
  • A limitação do consumo de gorduras, dando preferência a gorduras monoinsaturadas, como o azeite, e polinsaturadas (gorduras de origem vegetal) e evitando o consumo de gorduras industrializadas presentes nas margarinas e alimentos ultraprocessados;
  • A limitação do consumo de sal para menos de 5g por dia, o que equivale a cerca de 1 colher de chá. Isto inclui o sal que se adiciona na confeção e o sal que foi adicionado a alguns alimentos (exemplo: pão, manteiga, queijos…)

 

Até à próxima publicação,

A Equipa de Segurança Alimentar

Marisa Mata,

Rita Abreu,

Cátia Mateus.